Sessão ordinária, 6 de julho de 2020

0

PEQUENO EXPEDIENTE:

DANIEL BERNARDY (PDT) – O vereador pediu o envio de ofício ao engenheiro da superintendência do Daer de Cachoeira do Sul solicitando a realização de patrolamento na ERS 410, na parte da estrada de chão que está intransitável.

JORGE WILLIAN FEISLTER (PTB) – Pediu a remessa de ofício ao prefeito Paulo Butzge questionando quais são os requisitos para a ocupação das Gratificações por Função de assessor técnico de gestão pública e da coordenação de frotas, ambos cargos da sec. de saúde, e quais são os servidores que estão recebendo essas GF’s. Também requereu a relação de todas as GF’s do poder executivo. Registrou que o deputado Marcelo Moraes remeteu diversas verbas ao município perfazendo mais de R$ 1 milhão em verbas que estão com cláusula suspensiva no ministério. Explicou que essas verbas estão com cláusula suspensiva em razão do executivo não ter remetido ao ministério os projetos referentes as obras. Lamentou que isso seja recorrente, lembrando que o mesmo ocorreu com a verba remetida para construção do posto de saúde do bairro Marilene, e que alguns vereadores tiveram que se deslocar a Brasília com intuito de impedir que o recurso fosse perdido. Da mesma forma, citou sobre a obra do ginásio da Vila Botucaraí e das redes de água das localidades do interior. Frisou que o recurso para a rede de água da Linha Bernardino foi remetido pelo deputado Sérgio Moraes no fim do seu mandato como deputado federal, lamentando que pela questão eleitoral, tem muita gente querendo ser o “pai da criança”.

CELSO GEHRES (Progressistas) – Requereu o envio de ofício ao corpo de bombeiros voluntários pela passagem do dia dos bombeiros. Também requereu a remessa de ofício ao sec. de Obras pedindo a realização de conserto de um bueiro localizado na Linha do Salso no entroncamento com a localidade do Arroio Grande. Lembrou que amanhã Candelária comemora seus 95 anos de emancipação, salientando a trajetória do município e sua industrialização. Disse que o crescimento do município perfaz uma trajetória de décadas e que antigamente não havia emedas parlamentares para serem remetidas aos municípios, sendo que muitas obras eram custeadas com recursos próprios. Disse que em Brasília, para que as alguns não saiam do poder, foi criado um círculo de favores e uma rede de corrupção, e que não podemos deixar que o mesmo aconteça em nosso município, reportando-se especialmente aos favores e beneficiamentos no período eleitoral.

MARCO ANTÔNIO LARGER (Progressistas) – Pediu a remessa de ofício ao prefeito Paulo Butzge requerendo a realização de melhorias nas estradas do Quilombo, Barra do Quilombo, Linha Ana, Linha São José, Linha Alta e no fundo do Quilombo. Falou sobre a “máquina de favorecimentos” do executivo municipal, já que tem gente usando a máquina pública para favorecer determinados pré-candidatos a vereadores. Assim como tem pessoas indo nas localidades dizendo algumas obras agilizadas por A ou B, a fim de promoção pessoal. Questionou o prefeito se está ocorrendo o favorecimento a pré-candidatos a vereadores. Solicitou o envio de ofício ao promotor de justiça de Candelária questionando sobre a resposta de ofício remetido ao executivo. Pediu que o prefeito Paulo Butzge determine a instalação de sinalização de trânsito entre as ruas Botucaraí e 20 de setembro.

ALDOMIR SEVERO (PTB) – Se associou ao pedido realizado ao colega Daniel Bernardy (PDT) quanto ao patrolamento na ERS 410. Agradeceu ao sec. de Obras pela colocação de material na ERS 410. Lamentou que a politicagem esteja em alta, pois uma pessoa esteve na secretaria pedindo o conserto de uma luminária nas proximidades da sua residência e ao citar que o vereador que mandou a pessoa até o local, responderam que não ele não fazia mais parte da administração portanto tal pedido não seria atendido. Sobre os favorecimentos a determinados pré-candidatos, lamentou que tenham pessoas querendo se promover dessa forma e utilizar a máquina pública para benefício próprio.

CRISTINA ROHDE (PSDB) – Falou da indicação do PTB quanto a ampliação da rede de água da Linha Palmeira, narrando que foi procurada pelo presidente da rede e solicitou que ele verifique quais seriam as pessoas que têm a necessidade de receber a água. Ficou feliz que a bancada do PTB seja favorável a ampliação dessa rede de água. Pediu a remessa de ofício a equipe de iluminação pública para que seja realizada a recuperação da rede de iluminação da Linha Brasil, pois existem muitas luminárias que precisam ser trocadas. Referiu que o mesmo precisa ser feito na Picada Roos, na Vila Passa Sete e na Linha do Salso. Falou sobre o aniversário do município, demonstrando seu orgulho em ser filha de Candelária, pelas belezas naturais, localização geográfica privilegiada, dentre outras coisas que enaltecem a expansão do município, sem esquecer da agricultura forte que Candelária possui e que é responsável por boa parte da arrecadação do município.

CRISTIANO BECKER (MDB) – Também falou sobre o aniversário de Candelária, salientando que não há data mais importante que essa, pois quem nasceu e se criou aqui nutre imenso orgulho por essa terra. Deixou registrada a sua lembrança pela importante data a ser comemorada no dia de amanhã. Relembrou a história do município, iniciada em novembro de 1633, data estimada da fundação, pelo jesuíta espanhol Pedro Mola, da Redução Jesus Maria. Situada no local hoje conhecido como Trincheira, na localidade de Linha Curitiba, a cerca de 3,5 km da cidade, a povoação de índios é uma das 18 fundadas na primeira fase das reduções. Elas surgiram em decorrência do acordo firmado, em 4 de julho de 1626, entre o então governador da Província do Rio da Prata e a Companhia de Jesus. A Redução Jesus Maria é a que mais prosperou entre todas da primeira fase. Estima-se que tenha abrigado uma espécie de cidade, formada por aproximadamente seis mil índios. Este contingente da nação Tupi-Guarani apresentava condições de vida bastante favoráveis, pelo menos no aspecto da subsistência. Além de se dedicar à agricultura, cultivando produtos como trigo, milho e mandioca, os índios possuíam grandes rebanhos de bovinos, suínos e ovinos. Por seu grande porte, a redução candelariense acabou sendo alvo da ação dos bandeirantes paulistas, que desciam ao sul com o objetivo de aprisionar índios e transformá-los em escravos. Tal circunstância tornou marcante o sistema de defesa montado pelos jesuítas em Jesus Maria, não só no que diz respeito às fortificações (trincheira e paliçadas) e armamentos, como no adestramento militar ministrado aos índios por especialistas em operações de guerra. Isto justifica como foi possível para padres e índios resistirem à poderosa bandeira do bandeirante Raposo Tavares durante seis longas horas (das 8h da manhã às 14h). A batalha que pôs fim à Redução Jesus Maria foi travada no dia 3 de dezembro de 1636, encerrando com requintes de heroísmo o primeiro capítulo da história de Candelária. Já em 1862, João Kochenborger e Jacob Welsch, filhos de imigrantes alemães que moravam em Rio Pardo, decidiram tentar construir a vida em novas terras. João Kochenborger passou a residir na atual Linha Curitiba e, anos depois, construiu o aqueduto, que conduzia água captada no Arroio Molha Grande para mover um engenho de serra e um moinho de milho e trigo. Jacob Welsch foi morar onde hoje é a rua Dr. Middendorf, logo depois adquiriu terras na Linha Passa Sete, onde se estabeleceu, criou sua família e viveu o resto da vida. O crescimento da povoação foi rápido, não só a pecuária dava suporte à economia, mas também a agricultura passou a ser preponderante. O comércio crescia e surgiam as primeiras indústrias. Foi tão significativo o desenvolvimento que, em 9 de maio de 1876, o distrito foi elevado para a categoria de Freguesia, com invocação de Nossa Senhora de Candelária. Quando chegou o século XX o núcleo urbano já contava com cerca de 150 moradores, a maioria estabelecida ao longo da rua do comércio, que hoje é a nossa Avenida Pereira Rego. Em 1924 reuniões no Clube Rio Branco marcavam a tentativa dos republicanos de emancipar Candelária. Foi um movimento precedido de medidas criteriosas, orientadas pelo Coronel José Antônio Pereira Rego, chefe da política republicana de Rio Pardo, e contava também com o apoio do então Presidente do Estado e chefe do Partido Republicano, Dr. Borges de Medeiros. O decreto de criação de Candelária deu-se em 7 de julho de 1925. Nesta data o presidente do Estado, Borges de Medeiros nomeava Intendente para o município criado, o Sr. Albino Lenz. Nascia um município com vocação para o desenvolvimento. Ao fim, deixou seus parabéns a todos os munícipes pela comemoração aos 95 anos de Candelária.

JAIRA DIEHL (PTB) – Registrou que no fim de semana publicou no seu perfil do facebook um desabafo quanto a falta de caixas eletrônicos com disponibilidade para saque na agência do Banrisul. Dessa forma, solicitou a remessa de ofício à gerência do Banrisul de Candelária pedindo que esse tipo de problema seja sanado, pois está causando problemas aos usuários. Cristina Rohde (PSDB) disse que já recebeu reclamações nesse sentido. Em aparte, Cristiano Becker sugeriu que seja anexado ao ofício um questionamento quanto a existência de câmeras na sala dos caixas eletrônicos da referida agência. Feistler disse que é o Banrisul é uma desorganização e um dos únicos que sequer possui cuidados de prevenção ao covid-19, não havendo delimitação para distanciamento etc. Também reclamou sobre o horário de funcionamento dos caixas, já que esses dias não conseguiu efetuar saque após às 19h. Jaira Diehl sugeriu que o ofício seja remetido em nome da casa legislativa. Requereu a remessa de ofício ao prefeito com cópia ao sec. de Agricultura pedindo que seja cumprido o cronograma de recolhimento dos entulhos, citando que a cidade está repleta desses materiais. Em aparte, Larger (Progressistas) lembrou que fez pedido de coleta em diversas ruas, mas recolheram apenas em alguns pontos, sendo que na sua rua, somente o monte de entulhos próximo a sua residência não foi recolhido, brincando sobre uma suposta perseguição. A vereadora disse que o problema é que a administração pública municipal não atende a todos de forma igualitária.

GRANDE EXPEDIENTE:

MARCO ANTÔNIO LARGER (Progressistas) – O vereador recebeu a lista de espera das consultas da sec. de saúde e ficou surpreso ao ver que alguns que estavam em 300 e poucos na lista estão conseguindo “antecipar” os agendamentos, e outros que possuem urgência para atendimento, não conseguem a mesma “benesse”. Disse que está providenciando a documentação para remeter ao promotor, pois não concorda que utilizem a máquina pública para beneficiamento de alguns. Citou que o mesmo acontece na sec. de agricultura com as horas-máquina. Sobre o período de desincompatibilização para concorrer a cargos eletivos, disse que está atento a “dança das cadeiras” e “apadrinhamentos” que irão ocorrer ao longo deste mês. Afirmou que o executivo está debochando do ministério público, já que não respondem aos ofícios remetidos pelo promotor de justiça. Larger mandou um ofício ao prefeito pedindo uma determinada resposta, mas a equipe da administração está querendo mentir para o promotor e para o vereador, pois o prefeito teve a capacidade de pedir prorrogação ao promotor para responder um ofício cujo teor já havia sido respondido ao vereador no que tange às cestas básicas distribuídas naquele poder. Sempre que pega esse processo das cestas básicas e correlaciona com pesquisas no portal da transparência da prefeitura, acha mais coisas que são de difícil compreensão. Disse que nada melhor que um dia após o outro para que as verdades apareçam. Quanto a história de Candelária narrada pelo ver. Becker, disse que nutre carinho e respeito pelos 95 anos de emancipação política.

SANDRA GEWEHR (PSB) – Parabenizou os candelarienses pelo aniversário do município a ser festejado amanhã. Citou que nosso município é motivo de orgulho para todos que aqui habitam. Disse que faz parte de quatro administrações municipais e por ser uma pessoa que sempre buscou ajudar o próximo, agradece a confiança da população para representar o povo através do legislativo. Veio de uma família muito humilde e batalhou muito para chegar onde está. Também é favorável à indicação do PTB quanto a extensão da rede de água da Linha Palmeira. Lembrando que só aceitou ser candidata quando lhe foi sinalizada a possibilidade de ser feita a rede de água do Travessão Schoenfeldt no mandato de 2017/2020. Ao fim, parabenizou o município pelos 95 anos de emancipação.

RUI BEISE (PSB) – Falou sobre a confirmação do adiamento das eleições municipais para novembro/2020. Olhou toda sessão de votação do adiamento do pleito municipal e notou a preocupação dos deputados com a disseminação do covid-19. Lamentou que nenhum partido tenha renunciado a utilização do fundo partidário. Quanto a fala do ver. Cristiano Becker, disse que recordar é viver e que a história do nosso município é muito linda, reprisando alguns marcos. Ao finalizar salientou a sua alegria de poder festejar os 95 anos de Candelária. Enalteceu o trabalho de todos que contribuíram para o desenvolvimento do nosso município.

JORGE WILLIAN FEISTLER (PTB) – Disse que o prefeito de Candelária e o presidente do PSB tem o mesmo discurso, pois ambos distorcem as coisas que são ditas na tribuna do legislativo. Esclareceu que quando falou que o sindicato presidido por Juarez se tornou um escritório do partido PSB, o sindicalista tentou distorcer quanto a gestão do sindicato, usando inclusive a aposentadoria dos seus familiares para tentar atingi-lo. Na mesma linha, o prefeito falou na rádio hoje pela manhã que as verbas federais estão com cláusula suspensiva, explicando que os recursos são da Linha Bernardino e Rincão das Casas. Feistler disse que o recurso foi encaminhado no fim de 2018, e se o executivo tivesse uma equipe técnica para elaborar os projetos dentro dos prazos, talvez não estivessem com cláusula suspensiva e as obras já finalizadas. Comparou a quantidade de recursos destinados pelos deputados, afirmando que os deputados da base aliada parecem ter preferência quanto a elaboração dos projetos. Disse que o ver. Larger quer muito ao exigir respostas ao executivo, pois a única preocupação da administração é a próxima eleição. Aldomir (PTB) disse que se estivessem preocupados com os projetos das redes de água, as pessoas já estariam sendo beneficiadas com água potável em suas residências. Feistler disse que o prefeito só demonstra preocupação em razão do período eleitoral, e não adianta ele ir à rádio dizer que a intenção é executar o quanto antes esses projetos, pois se a intenção fosse essa, esses projetos já estariam em andamento.

LURDES ELLWANGER (PTB) – Agradeceu aos antepassados e batalhadores que lutaram pelo desenvolvimento de Candelária. Agradeceu ao ex-prefeito Sr. Balduíno Ellwanger que deixou para Candelária um grande legado. Da mesma forma, lembrou do Sr. Aristides Rodrigues. Afirmou que sempre faz o que está ao seu alcance para que o município cresça e se desenvolva. Disse que o povo candelariense deve se orgulhar da terra que temos, principalmente por ser tão linda e hospitaleira. Felicitou Candelária pelos 95 anos de emancipação.

JAIRA DIEHL (PTB) – Também prestou homenagem ao município, afirmando que ama Candelária e que mesmo que não tenha nascido aqui, seus dois filhos são naturais dessa terra. Ficou perplexa com a colocação da ver. Sandra Gewehr quando afirmou que condicionou sua candidatura a realização da obra da rede de água do Travessão Schoenfeldt. Disse que a colega deveria ter condicionado também à rede de água da Rebentona, localidade que só tem água em razão de repasse feito pelo poder legislativo. Disse que as comunidades merecem água potável, lamentando que vários recursos sejam perdidos em razão da falta de interesse da prefeitura em remeter os projetos. Demonstrou sua indignação com a falta de interesse do município com as emendas remetidas pelos deputados Moraes, citando como exemplo a verba para pavimentação da rua Edilo dos Santos Machado, lembrando do sofrimento dos moradores com o acúmulo de água naquele local. Afirmou que a questão das cláusulas suspensivas nas verbas dos deputados Moraes que é pessoal sim, e que só não são feitas essas obras em razão da sigla petebista. Lamentou que estejam usando a máquina pública para beneficiar determinadas pessoas. Disse que está legislando para os 31 mil habitantes do município e não apenas para meia dúzia, já que foi eleita para tanto. Afirmou que as pessoas devem estar cientes de que é preciso analisar o que é melhor para o município e mudar a atual situação que enfrentamos. Disse que todo ano deveria ter eleição, pois quem sabe assim, as estradas estariam boas e as coisas funcionassem melhor.

EXPLICAÇÕES PESSOAIS:

JAIRA DIEHL (PTB) – Disse que se exalta por querer o bem do município e ver que parece que nem todos pensam dessa forma. Não aceita que os recursos federais sejam perdidos por inércia do poder executivo municipal. Salientou que as obras não são para os vereadores do PTB e sim para todos os munícipes. Pediu que o prefeito faça gestão pública de qualidade.

>>A próxima sessão acontece no dia 13 de julho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here