Município vai ganhar rota de Cicloturismo

Candelária e região devem sediar um novo roteiro da modalidade no Estado; nome será Circuito de Cicloturismo dos Dinossauros

0
Intenção é promover uma rota que facilite a visitação de pontos turísticos. Foto: Divulgação/JC

Não é de hoje que o ciclismo é uma modalidade amplamente praticada em Candelária. Seja como meio de transporte para ir até o trabalho ou como lazer, o ciclismo cada vez ganha mais adeptos.Em tempos de pandemia isso não é diferente. Com a impossibilidade de serem realizados eventos em ambientes fechados e a restrição causada pela doença com as regras de distanciamento, a busca por esportes ao ar livre cresceu de forma vertiginosa.

Pensando nisso, está sendo criada em Candelária e região uma associação chamada de União dos Municípios do Circuito Paleontológico, que tem o objetivo de alavancar ainda mais a modalidade e unir o esporte ao turismo. A ideia, conforme a presidente da associação, Caren Menezes, é de criar uma rota de cicloturismo, assim como já existem em outros locais do Estado e do país.

O circuito deverá proporcionar aos amantes do ciclismo uma experiência única, a fim de incentivar o turismo local e estimular a economia. A Rota de Cicloturismo dos Dinossauros, como será chamada, deverá contar com a participação de sete municípios sedes, divididos em um percurso de aproximadamente 320 quilômetros. O intuito é levar os praticantes da modalidade até as cidades onde há sítios paleontológicos na região, bem como oferecer uma exploração dos pontos turísticos e históricos desses municípios, como, por exemplo, em Candelária, o Morro Botucaraí e o Aqueduto.

Entre os municípios, está previsto no projeto a participação de, além de Candelária, as cidades de Ibarama, São João do Polêsine, Restinga Seca, Agudo, Dona Francisca e Cerro Branco. “Sabemos do potencial turístico que a região tem, mas que é subaproveitado, nosso objetivo é aproveitar o que esses municípios já oferecem e proporcionar um atrativo a mais para quem cruzar por aqui”, destaca Caren.

O secretário da associação, Nerio Bogoni Junior, salienta que esse tipo de projeto já foi implementado em vários outros lugares. O mais conhecido é o Circuito de Cicloturismo do Vale Europeu, em Santa Catarina, que atrai milhares de cicloturistas todos os anos e gera, para as cidades que estão inseridas no roteiro, cerca de R$ 4,5 milhões ao ano, apenas com gastos com alimentação, hospedagem e manutenção das bicicletas dos turistas. “Candelária está situada em uma região transitória, que leva os viajantes da fronteira e do centro do Estado até a Capital e à Serra Gaúcha, e muitos cicloturistas fazem o percurso, se ele ver que no município há uma rota, ele vai querer parar e conhecer a cidade para interagir com o que há nela, é nisso que estamos pensando”, disse.

Economicamente, conforme os componentes da associação, em uma expectativa mais otimista, com a implementação do circuito em Candelária, só em hospedagem, consumo e alimentação, deve alavancar a economia em cerca de R$ 1 milhão, em cada um dos municípios da rota. Para que saia do papel, a iniciativa precisa de um investimento do poder público. Tratativas já foram feitas e a expectativa é de que haja essa possibilidade. “É um investimento muito pequeno, a ideia é que as prefeituras apenas possam garantir a sinalização do circuito e mantenha as estradas transitáveis, para manter o tráfego”, ressalta Caren.

PREVISÃO
A expectativa é de que o Circuito de Cicloturismo dos Dinossauros esteja disponível no segundo semestre de 2021. Até lá tudo deve estar pronto, como o mapeamento da rota, os locais disponíveis para a hospedagem dos viajantes, assim como os locais de referência para alimentação e outros serviços. A intenção também é cadastrar o circuito no Clube do Cicloturismo do Brasil, principal site onde os praticantes da modalidade procuram por roteiros. Com isso, há a possibilidade de atrair ainda mais visitantes para a região.

Agora, o projeto se encaminha para definições. O trajeto já está confirmado, restando apenas um mapeamento das estradas para que não ocorra imprevistos e nem que os ciclistas passem por dificuldades no percurso. Conforme a associação, 60% do circuito já foi validado, mas resta ainda abrir tratativas com locais que podem servir como pousadas para os cicloturistas, bem como a definição de outros serviços.  A ideia é que o circuito fique aberto o ano todo e possibilite aos cicloturistas que forem utilizar a rota total segurança e orientação.

Apresentação da rota ocorre na próxima semana

Para que o projeto já tome forma, está prevista, para a próxima sexta-feira (11), uma reunião na Casa de Cultura Marco Mallmann, com o apoio da secretaria de Turismo, Cultura e Esporte, em conjunto com representantes dos municípios de Agudo, Dona Francisca, São João do Polêsine, Cerro Branco e Ibarama – municípios que vão integrar a rota de cicloturismo.

Conforme o vice-presidente da associação União dos Municípios do Circuito Paleontológico, Rafael Siqueira Oliveira, neste encontro deverão ocorrer alguns alinhamentos para viabilizar a implantação do Circuito de Cicloturismo dos Dinossauros. “As prefeituras precisam sinalizar com planos e pinturas indicativas, além de ajudar a sensibilizar a comunidade para organizar seus pátios e quintais, e ainda promover a limpeza e manutenção de seus pontos turísticos”, destaca.

Segundo a presidente da associação, Caren Menezes, a reunião é importante para que os municípios estejam cientes do tamanho que o projeto pode tomar. “Teremos materiais indicando os pontos turísticos, bem como toda a rota no GPS, então é importante que as prefeituras comprem a ideia na reunião e possam fazer a sua parte, pois todos vão ganhar, os ciclistas, o turismo, os moradores e os próprios municípios”, disse.

O projeto conta com a parceria da secretaria de Turismo, Cultura e Esporte, que garantiu auxiliar na demanda das sinalizações para que o projeto saia do papel.

Locais históricos de sete cidades estão incluído nos 320 km de percurso, como este prédio, em São João do Polêsine. Foto: Divulgação/JC

O que é Cicloturismo?

>> Diferente das modalidades da bike, o cicloturismo é a melhor opção para quem gosta de andar de bicicleta sem o compromisso de uma competição, com o objetivo de conhecer novos lugares, pessoas e culturas. É uma forma de usar o equipamento como meio de transporte em uma viagem, sem necessitar ter experiência. Qualquer pessoa, independente de sexo e idade, pode praticar o cicloturismo.

>>A marca registrada do cicloturista é a carga na bicicleta. Se deseja percorrer locais bem desenvolvidos turisticamente e pretende hospedar-se em hotéis ou pousadas, o volume a ser carregado será pequeno. Se deseja estar autossuficiente para percorrer áreas selvagens ou desoladas o volume é bem maior, utilizando inclusive bagageiros especiais na roda da frente e no guidão.

O roteiro possui cerca de 320 km. Foto: Divulgação/JC

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here